Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Coisas

por esquisita, em 15.12.23

 

Coisa triste, primeiro Natal de orfandade
Coisa feia, ir cortar pinheiro à mata
para o fazer coroar com estrela de cartão

Por sorte, a fortuna antiga entope a pia
Fica a cozinha alagada, como manda a tradição

Vem o pastor, mago da chave inglesa
e as suas ovelhas com pezinhos de lã
Vem a lavadeira, de mangas arregaçadas
traz rodo e panos do chão
Secam as águas

Toca a banda uma marcha desafinada
ainda mais azul
Coisa estranha, que não se suspenda o Natal por falta
Coisa boa, o que ficou

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pés descalços

por esquisita, em 21.12.22

 

Sei de um miúdo, homem zangado com o Menino, por só lhe trazer um par de botas.
Quando este, teve um comboio, aquele, uma bicicleta e os outros, que não se portaram melhor, nem tiveram melhores notas, que não disseram menos mentiras,
nem fizeram maldades menores, receberam bolas e jogos, carrinhos e camiões, a ele, um par de botas!

Sérgio, Sérgio, fala baixo! Olha que as chancas podem ouvir!

Para que um homem nunca faça pazes com o Menino, nem com os outros, nem consigo, tem que haver uma origem, uma causa, uma razão.

Um par de botas que o impeça
da humildade dos pés descalços!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Mesas e cadeiras

por esquisita, em 18.12.22

Distraio-me com fantasias que invento a respeito de desconhecidos…

Chegaram cedo, para evitar a confusão. Por sorte ou por castigo, Armindo Augusto está sentado desde as onze da manhã e começa já a sentir o traseiro dormente. Atribuíram-lhe a missão de guardar as mesas e aproveitando o ensejo, ficou também de vigia ao sono do neto mais novo. O miúdo terá cerca de um ano de idade, talvez nem isso, e dorme reclinado no carrinho, cabeça ao lado e fio de baba a pingar da boca entreaberta, sem dar trabalho nenhum. Tem os sonos trocados; durante o dia, um paz d'alma, o demónio em forma de gente, a noite inteira.
Mesmo sabendo da encrenca das escadas rolantes, Armindo teria preferido acompanhar a mulher e as filhas, e empurrar o carrinho do garoto, driblando o crescente rebuliço de gente atarefada, ou mesmo aguardar com resignação à porta de cada loja. Sempre podia espreitar uma ou outra montra, apreciar as decorações ou esbarrar em amigo ou conhecido com quem entabular conversa. Alguém tinha que ficar a guardar as mesas, porque estas coisas são como são: se ao Domingo é difícil, em época festiva o caso ainda se torna mais complicado, e almoço de família sem mesa em que todos se possam sentar juntos, é coisa sem jeito nenhum.
Chega a meia hora, o recinto vai enchendo, aumenta o movimento e o Armindo começa a ser repetidamente interpelado para ceder cadeiras. Ao desconforto físico, junta-se uma certa inquietação. Assim que chegou, escolheu o local que lhe pareceu mais recatado, aproximou duas mesas e dispôs as cadeias conforme as contas que mentalmente ia fazendo: um lugar para a Adelaide, dois para as filhas, que andam às compras com a mãe, mais dois para os respectivos maridos, outro para a filha do companheiro da mais nova e ainda mais duas cadeiras, para a neta, que há-de vir mais tarde, com o namorado. Rematou a soma com o garoto, para quem foi buscar uma cadeirinha de refeição, que acomodou numa das cabeceiras, e com o seu próprio lugar, como é habitual, no topo oposto da mesa.
Recusar cadeiras vazias, a quem rodopia como uma barata tonta em busca de acento, é tarefa ingrata para Armindo que não é homem de açambarcar. Chegou primeiro para se precaver, tem agora que zelar pelos seus interesses.
Entretanto, aumenta o caudal de gente que aflui à restauração e as suas mesas ainda desocupadas, tornam-se numa espécie de ilha cobiçada num mar revolto, à beira da ebulição. Formam-se filas irregulares, entrecortadas por um vaivém intenso de tabuleiros em equilíbrio instável, procurando poiso. Armindo mantém a postura impassível, mas no seu íntimo, todo aquele bulício começa a surtir efeito. Para mais, o neto pode acordar a qualquer momento e desatar a chorar porque tem fome.
Está prestes a ligar à mulher, quando os genros aparecem, com a miúda pela mão. Vêm de um encontro com o Pai Natal, no Piso 0, e são eles que se encarregam de fazer a chamada, Pouco depois, chega a neta mais velha, arrastando o namorado, que ainda se sente pouco à vontade nestes encontros familiares.
A mesa vai ficando composta, e por volta das duas da tarde, Armindo vê Adelaide ladeada pelas duas filhas, surgir do meio da multidão efervescente. Sorri à mulher, orgulhoso por ter sido digno guardião de mesas e cadeiras. Levanta-se, como um verdadeiro cavalheiro, para puxar o assento à esposa.
É então que se dá conta – esqueceu-se da cadeira para os embrulhos e sacos de compras.

… não estou certa de que seja correto escrever sobre elas. As minhas desculpas, a esta família.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D