Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]


Se te perguntarem

por esquisita, em 22.10.21

 

O tom neutro que usou para repetir "elefante", deu a entender que a resposta não correspondia ao esperado. 

Depois de desenrolado o tapete, sobre a terra batida, é aí que se concentra o foco de luz e só resta estender o corpo ao mirabolante número. Empurrada pela força bruta, a assistente rola uma, duas, três vezes. As vezes que forem necessárias e suficientes para que não restem dúvidas da desproporção. Depois sossega o reboliço, que à exaustão convém uma certa elegância.

Pára a música, rufam os tambores: O desmedido peso multiplica a sua altura, como uma torre que se ergue pela vontade do braço do domador. Alarga-se o disco de luz para iluminar a prodigiosa dimensão. Lá em baixo aguardam, inquietas, as frágeis entranhas da assistente.

Batem os pratos: Tomba o braço do domador, assinalado o local onde se deve reconstruir o edifício na sua forma natural. Entre quatro colunas de pele espessa e dura a assistente sorri.

Acendem as luzes, retoma a música: Aplausos à assistente que arriscou as tripas, aplausos ao domador que lhas poupou, aplausos à criatura que tão virtuosamente imita o elefante.

Acabou  a sessão. O elefante foi devolvido à selva. A assistente também. É lá que vivem os dois. Ou será só um? Já não me recordo...

Mas porque é que não disse golfinho, ou cão, ou mesmo abelha! Custava alguma coisa?

Autoria e outros dados (tags, etc)


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.