Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]


Não sei

por esquisita, em 18.02.22

 

À primeira hora, antes de chegar 

seria fermento, terra a levedar

Desse chão se vai erguer, 

pela vontade de outro dia,

a fome de amanhecer

Que nome lhe posso dar?

Não sei...

 

Tempo que é agora, antes de partir

acende a fogueira de algum existir

Nessa chama, a arder, a alastrar 

como sopro, semente de cinza, 

sem ter um nome,

teima em lavrar

 

Posto está o sol, depois de brilhar

derrete nas águas o sal desse mar

Sopra vento que anoitece,

alisa a onda que embala,

cala a luz e adormece

Se amanhã, à primeira hora,

se pode tornar chamar, 

não sei...



Autoria e outros dados (tags, etc)


8 comentários

Imagem de perfil

Ana D. a 18.02.2022

Obrigada pela partilha deste teu belo poema! Gostei muito!
Imagem de perfil

esquisita a 18.02.2022

Agradeço
Uma boa noite!

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D