Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]


Limite

por esquisita, em 11.10.21

Sei de um pequeno senhor, mal servido de razão mas muito bem aviado de razões, que sossega os seus desarranjos de maneira peculiar.

Não há argumento que o demova nem regra ou lei que o possam tolher, quando se propõe trepar às costas do primeiro incauto que achar a jeito, para fazer dele o pedestal da sua grandeza. Com artes e manhas, nem os precavidos lhe escapam.

Esmera-se em acirrar para depois se escorar na luta que lhe derem. Redobra ganas se for confrontado com a sua pequenez. Não há ocasião que lhe seja desfavorável ou lugar impróprio, mas aprecia particularmente, reunir assembleia que lhe reconheça o feito e lhe aplauda a conquista. O mais das vezes, deixa o público atordoado. Do alto do desinfeliz que lhe serve de palanque, acredita avistar respeito e admiração.

Como no estômago me roem certos ácidos, que fazem soltar lume pelas ventas, evito quanto posso que me apanhe na plateia das suas perversas escaladas. Seria a lenha perfeita para a sua fornalha.

A dar crédito ao que me contam, falhei presença na arena da sua mais decadente atuação. Do caso em concreto só posso assegurar os efeitos mas, pelo historial conhecido, não é difícil dar o relato como válido.

Desta feita, sem anunciar quê nem porquê, o pequeno senhor resolveu elevar a sua rasteira estatura usando o lombo firme  de um homem a quem comprava o trabalho. Julgando-o seguro pela sua condição, aplicou-se a limpar o osso para depois lhe galgar o espinhaço, vértebra a vértebra. Não vendo jeito de o conseguir vergar, empoleirou-se nos seus ombros e, a golpes de picareta, encarniçou o engenho para lhe chegar ao tutano.

Foi tanta e tão cega a sanha, que conseguiu destorcer o cabo que sustinha a sua vítima. Deixou-lhe o tino despernado e alma de aço à vista.

Não restou ao homem entendimento para dar às mãos outra serventia senão a de tenazes. Fechou-as na goela da criatura que tanto se tinha esforçado por subir. Os pés erguidos do chão, até que os seus olhares se nivelassem. Depois, foi como sacudir um boneco de palha prestes a arder em sábado de Aleluia.

Contam que se lhe puseram a mão a tempo de evitar a tragédia, foi só por vontade de salvar um homem inteiro da desgraça inteira. Todos têm as costas marcadas por cicatrizes que pedem desforra...mas ainda assim conseguiram discernir o limite.

Ferve-me a cabeça com perguntas.

Acima de tudo, questiono a minha própria razão.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D