Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]


Começo

por esquisita, em 19.04.22

 

Nasceu em dia imprevisto, provocando algum alvoroço, mas sem trazer aflição de maior para que a mãe o desse à luz e sem nada que fizesse duvidar que a luz o iria aceitar com a mesma boa vontade com que a família o esperava. Perfeitinho, como dizia a avó, uma riqueza, acrescentava a vizinha que tinha acorrido aos gritos do primeiro folgo.
Passado o reboliço da vinda antecipada, depois de limpo e asseado, enrolado nas mantas, foi entregue à mãe que sem demora tratou de verificar com olhos de ver, o que no seu íntimo há muito conhecia e desejava.
Entretanto foram anunciar ao pai que por sua conta, tinha mundo mais uma alma.
Chegou esbaforido pela pressa de lhe dar as boas vindas, contudo assim que o viu, estacou petrificado e mudo, como se de súbito se deparasse com um prodígio. Foi a mulher que o tirou do estado de suspensão em que ficou, oscilando entre a reverência e a dúvida de ser parte daquele milagre – Nasceu-nos um menino! – disse baixinho, acordando-o do encantamento, ao mesmo tempo que lhe estendia a criança, para que a tomasse nos braços.
Segurou-o a medo, porém logo que o apertou ao peito e lhe sentiu o calor, tranquilizou-se – É o nosso filho! – Sem que as quisesse conter, soltou dos olhos duas lágrimas quentes, grossas e livres. Regressou ao silêncio, mas desta vez para usar a linguagem primordial do entendimento sem palavras, onde é fácil dizer sem falar.
– Sabes o que nos trouxe? – De novo a voz suave da mulher o tirava da quietude – Como posso eu saber!? – Ela demorou a resposta num sorriso brando, até o sentir desperto pela curiosidade – Diz-me! – Só então lhe apontou a pequena mão direita da criança. Em vão ele a tentou abrir, e mais se fechava ao toque, como se fosse uma semente que ainda não estivesse disposta a desvendar a vida. Devolveu a criança aos braços da mulher que sem pressa, tomou delicadamente a pequena mão e a levou aos lábios. Ao toque misterioso do beijo da mãe, desfez-se toda a resistência, e cinco dedinhos frágeis, brotaram em simultâneo como rebentos, revelando o que se guardava no interior. Um gancho ínfimo, curvo como um anzol rematado por pedra de sal. Era essa a prenda que trazia consigo.
Intrigado pela infinidade de reflexos que a luz produzia no diminuto cristal, o homem não resistiu à tentação de o observar mais de perto. Assim que o tocou sentiu que se afundava profundamente sob a pele dos dedos, sem que no entanto lhe provocasse qualquer tipo de dor. Só uma pequena gota de sangue aflorou à superfície. Instintivamente levou-a à boca – É doce…– observou ele – …como as lágrimas são de sal! – completou a mulher.
Nesse instante a cara da criança tornou-se vermelha e enrugada, a testa franzida e os lábios comprimidos pareciam anunciar um iminente choro a plenos pulmões, porém da sua pequena boca apenas se ouviu um gemer triste e contido, como se tivesse nascido conhecendo a tristeza e por algum motivo a quisesse conter. Aquele lamento prolongou-se num queixume incessante que ecoou pela casa e em seguida alastrou por toda a rua.
Durante uma semana foi impossível dormir. Ao sétimo dia, a vizinhança esgotada pela insónia, reuniu-se para pedir encarecidamente aos pais, que dessem nome à criança. Todos se juntaram para o chamar por quantos nomes conheciam, até que aceitou ser Roque e o seu murmúrio cessou.
Era domingo, o dia do começo.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D