Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Viram?

por esquisita, em 20.10.23

 

Assumi comigo mesma, o compromisso de me obrigar a escrever até aprender a gostar. Mais, contrario a minha natureza, expondo o que escrevo…  era aqui que entrava o discurso do empenho e da perseverança... tenho vontade, não me apetece...

Vejam agora o calibre da minha manha: 

Parabéns, Brás!

 

"E vejam agora com que destreza, com que arte faço eu a maior transição deste livro. Vejam: o meu delírio começou em presença de Virgília; Virgília foi o meu grão pecado de juventude; não há juventude sem meninice; meninice supõe nascimento; e eis aqui como chegamos nós, sem esforço, ao dia 20 de outubro de 1805, em que nasci. Viram?"

Memórias Póstumas de Brás Cubas, Machado de Assis

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sem título

por esquisita, em 11.10.23

 

Foi em tal dia, estava eu em tal sítio, desde então, mudei de vida.

Este homem não quer mudar. Não sobe a bordo, recusa fazer parte da tripulação. Quatro pisos acima do porão que o abriga, há um tecto que não é seu, assim como não lhe pertence a janela com grade e vista rente à calçada que o obriga a ter o queixo erguido, pela força de se manter à tona. Para acertar o passo pela linha de água, tem um lanço de escada, entre a cave e o rez-do-chão. Madruga mal dormido, este homem. Poucos são os passos que passam, ainda é cedo, espreita a vigia. Sobe pelo esconso túnel, degrau a degrau para se deixar cair onde antes esteve pintado o eixo da via. Está deitado sobre o coração, o braço como almofada, o copo vazio de cerveja na outra mão. Não foi o acaso que ditou o meio da rua, ele conhece o seu lugar. Para poder existir não pode incomodar quando, mais tarde, começarem a montar as esplanadas, nem atrapalhar a azáfama dos transeuntes. No entanto, é quase impossível passar adiante sem ver que ocupa espaço. Se um turista, recuando para alargar o enquadramento da foto, tropeçar nele, será esse o maior mal. É conveniente que deixe o acesso a lojas e escritórios desimpedido. Contanto que não se encoste à margem, será tolerado, porque esta rua é um rio e ele é um marginal. Este homem não quer mudar.

História sem sentido, sem título nem moral, só a percebe quem souber ver.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D