Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Pés descalços

por esquisita, em 21.12.22

 

Sei de um miúdo, homem zangado com o Menino, por só lhe trazer um par de botas.
Quando este, teve um comboio, aquele, uma bicicleta e os outros, que não se portaram melhor, nem tiveram melhores notas, que não disseram menos mentiras,
nem fizeram maldades menores, receberam bolas e jogos, carrinhos e camiões, a ele, um par de botas!

Sérgio, Sérgio, fala baixo! Olha que as chancas podem ouvir!

Para que um homem nunca faça pazes com o Menino, nem com os outros, nem consigo, tem que haver uma origem, uma causa, uma razão.

Um par de botas que o impeça
da humildade dos pés descalços!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Mesas e cadeiras

por esquisita, em 18.12.22

Distraio-me com fantasias que invento a respeito de desconhecidos…

Chegaram cedo, para evitar a confusão. Por sorte ou por castigo, Armindo Augusto está sentado desde as onze da manhã e começa já a sentir o traseiro dormente. Atribuíram-lhe a missão de guardar as mesas e aproveitando o ensejo, ficou também de vigia ao sono do neto mais novo. O miúdo terá cerca de um ano de idade, talvez nem isso, e dorme reclinado no carrinho, cabeça ao lado e fio de baba a pingar da boca entreaberta, sem dar trabalho nenhum. Tem os sonos trocados; durante o dia, um paz d'alma, o demónio em forma de gente, a noite inteira.
Mesmo sabendo da encrenca das escadas rolantes, Armindo teria preferido acompanhar a mulher e as filhas, e empurrar o carrinho do garoto, driblando o crescente rebuliço de gente atarefada, ou mesmo aguardar com resignação à porta de cada loja. Sempre podia espreitar uma ou outra montra, apreciar as decorações ou esbarrar em amigo ou conhecido com quem entabular conversa. Alguém tinha que ficar a guardar as mesas, porque estas coisas são como são: se ao Domingo é difícil, em época festiva o caso ainda se torna mais complicado, e almoço de família sem mesa em que todos se possam sentar juntos, é coisa sem jeito nenhum.
Chega a meia hora, o recinto vai enchendo, aumenta o movimento e o Armindo começa a ser repetidamente interpelado para ceder cadeiras. Ao desconforto físico, junta-se uma certa inquietação. Assim que chegou, escolheu o local que lhe pareceu mais recatado, aproximou duas mesas e dispôs as cadeias conforme as contas que mentalmente ia fazendo: um lugar para a Adelaide, dois para as filhas, que andam às compras com a mãe, mais dois para os respectivos maridos, outro para a filha do companheiro da mais nova e ainda mais duas cadeiras, para a neta, que há-de vir mais tarde, com o namorado. Rematou a soma com o garoto, para quem foi buscar uma cadeirinha de refeição, que acomodou numa das cabeceiras, e com o seu próprio lugar, como é habitual, no topo oposto da mesa.
Recusar cadeiras vazias, a quem rodopia como uma barata tonta em busca de acento, é tarefa ingrata para Armindo que não é homem de açambarcar. Chegou primeiro para se precaver, tem agora que zelar pelos seus interesses.
Entretanto, aumenta o caudal de gente que aflui à restauração e as suas mesas ainda desocupadas, tornam-se numa espécie de ilha cobiçada num mar revolto, à beira da ebulição. Formam-se filas irregulares, entrecortadas por um vaivém intenso de tabuleiros em equilíbrio instável, procurando poiso. Armindo mantém a postura impassível, mas no seu íntimo, todo aquele bulício começa a surtir efeito. Para mais, o neto pode acordar a qualquer momento e desatar a chorar porque tem fome.
Está prestes a ligar à mulher, quando os genros aparecem, com a miúda pela mão. Vêm de um encontro com o Pai Natal, no Piso 0, e são eles que se encarregam de fazer a chamada, Pouco depois, chega a neta mais velha, arrastando o namorado, que ainda se sente pouco à vontade nestes encontros familiares.
A mesa vai ficando composta, e por volta das duas da tarde, Armindo vê Adelaide ladeada pelas duas filhas, surgir do meio da multidão efervescente. Sorri à mulher, orgulhoso por ter sido digno guardião de mesas e cadeiras. Levanta-se, como um verdadeiro cavalheiro, para puxar o assento à esposa.
É então que se dá conta – esqueceu-se da cadeira para os embrulhos e sacos de compras.

… não estou certa de que seja correto escrever sobre elas. As minhas desculpas, a esta família.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Quem sabe...

por esquisita, em 08.12.22

 

Quem sabe, seja por em outros tempos,
que não estes de tanta ausência,
que agora vivo, nunca me ter sido dado a conhecer,
nem por um instante, que aos agora faltam,
também sobravam lugares vazios, falhas e frio, talvez…
Quem sabe, seja eu hoje, dia do presépio e do pinheiro,
a levantar-me cedo para pintar os olhos de cor e brilho,
a retocar os lábios com o meu melhor sorriso,
e com esse alindar singelo, sem fingimento,
queira que ninguém sinta diferente do que, então, senti.
No dia seguinte, sacode-se o pinheiro,
o Natal evapora, só madeira seca,
sopra-se o presépio,
o Natal esquece, só barro oco,
mas a mãe que foi, é.
como a mãe que sou,
(quem sabe?) continuará a ser, talvez…

20221201_184314.jpg

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D